O uso da água durante o trabalho de parto

Renata_Agua

Com muita frequência ouvimos mulheres relatarem o temor da dor no trabalho de parto.

É fato que a mulher em trabalho de parto experimenta uma dor considerável, ocasionada por estímulos multidimensional tais como: contrações uterinas, hipóxia da musculatura uterina, estiramento cervical, vaginal e perineal, estresse, fadiga…

A sensação de dor, no entanto, é uma resposta fisiológica complexa e subjetiva que poderá ser experimentada de maneiras muito distintas por cada mulher. Existem em nosso organismo substancias endógenas que quando liberadas podem inibir a dor ou aumenta-la, isso ajuda a explicar porque algumas pessoas quando expostas a um mesmo estimulo doloroso, sentem-no com intensidades diferentes, podendo até ser considerado insuportável por muitas mulheres.

Se você deseja um parto normal, porém teme o “fantasma” dor, é importante que você saiba que existem vários “métodos de conforto”, que são técnicas naturais utilizadas para proporcionar a mulher conforto e facilitar o processo do parto. Muitos estudos apontam que estas técnicas não farmacológicas durante o trabalho de parto podem contribuir para a liberação de endorfinas e aliviar em muito as sensações dolorosas.

Poderíamos citar várias destas técnicas, mas hoje em especial, quero destacar o uso da água. A hidroterapia enquadra-se dentro das estratégias não farmacológicas para alivio da dor, pois o efeito que a água provoca sobre a pele tem efeito relaxante da musculatura corporal. A hidroterapia pode ser aplicada em banheiras e chuveiros com agua morna ou mesmo através de compressas quentes.

Há inúmeros benefícios imediatos da utilização da hidroterapia, como alívio do desconforto, relaxamento corporal, redução da ansiedade, produção de endorfina (melhora da dor) e ocitocina (estimulo do trabalho de parto), diminuição da pressão arterial, aceleração da dilatação cervical…

Note que o uso da água não terá apenas o efeito redutivo da percepção dolorosa, mas também contribuirá significativamente para a evolução do processo, além de reduzir a necessidade do uso de analgésicos e necessidades de intervenções cirúrgicas.

A fase ativa do trabalho de parto é o momento mais indicado para o uso da água. A hidroterapia mostra-se uma prática segura, por não haver contraindicações. Estando a gestante e o feto com seus sinais vitais estáveis, não há limite de tempo e nenhuma contraindicação para o uso desta técnica, nem mesmo o fato da bolsa estar íntegra ou rompida.

Durante o uso da hidroterapia é importante oferecer líquidos para que a parturiente mantenha-se hidratada e caso sua temperatura mantenha-se elevada após o banho causando desconforto, pode-se fazer uso de compressas frias no rosto.

É evidente para os profissionais que utilizam a agua no trabalho de parto e parto, o quanto ela promove bem estar e alivio das sensações dolorosas nas mulheres.

Assinatura_RenataPalombo

Deixe um comentário

* Campos obrigatórios. Seu endereço de email não será publicado.